Com a dívida que o governo federal possui com a Organização das Nações Unidas (ONU), que já chega a R$ 1.778,7 bilhão (U$ 342 milhões), o país pode perder o direito do voto na Assembleia Geral de 2022.

O Brasil precisa pagar o valor mínimo de R$ 600 milhões  (US$ 114,3 milhões ) até 31 de dezembro deste ano para não perder esse direito, segundo informou ao Metrópoles o Ministério da Economia.

No orçamento da União, entretanto, há apenas R$ 397,8 milhões previstos para a ONU, indicativo de que a equipe econômica pode tirar recursos de outras áreas para quitar os débitos.

“Providências estão sendo tomadas para a solicitação de recursos orçamentários suplementares e posterior pagamento até o fim do presente exercício”, justificou a pasta ao portal.

O Itamaraty já classificou a situação como “constrangedora”, já que o país abre a Assembleia Geral  desde 1947, quando o diplomata Oswaldo Aranha presidiu o evento.

A próxima assembleia acontece no dia 21 de setembro de 2021. Ainda não está confirmado se a delegação brasileira será chefiada pelo presidente Jair Bolsonaro ou pelo chanceler Carlos França.

Bnews

 

Please follow and like us: