A manifestação que mira o Congresso convocada para 15 de março e endossada pelo presidente Jair Bolsonaro por meio de mensagens no WhatsApp foi convocada pelos movimentos de rua nascidos nos protestos pelo impeachment de Dilma Rousseff (PT) e que aderiram ao bolsonarismo.

A maioria dos movimentos gira em torno das mesmas pautas, como defesa do governo Bolsonaro, do ministro Sergio Moro, do pacote anticrime, da prisão em segunda instância e da Escola Sem Partido.

Os grupos afirmam que não defendem pautas autoritárias, como o fechamento do Congresso e do STF (Supremo Tribunal Federal) ou intervenção militar. Nas páginas dos movimentos nas redes sociais, porém, a discussão avança e chega a temas como fim do STF e defesa de um novo AI-5, ato que iniciou o período mais repressivo da ditadura militar.

Veja o que defendem os grupos de rua, quando foram fundados, seu alcance nas redes sociais, e também o que pregam em relação ao dia 15 de março.

Nas Ruas
Define-se como um “movimento de combate à corrupção e à impunidade”. Surgiu em julho de 2011. Tem pouco mais de um milhão de seguidores no Facebook. Em relação a 15 de março:

Nas Ruas
Define-se como um “movimento de combate à corrupção e à impunidade”. Surgiu em julho de 2011. Tem pouco mais de um milhão de seguidores no Facebook. Em relação a 15 de março:

Apoio à fala do General Heleno
Fim do que chamam de “chantagem da Câmara dos Deputados com o governo”
Marcos Bellizia, um dos líderes do grupo, afirma que “o Brasil cansou desta câmara dos Deputados que luta para aumentar o fundo eleitoral (…), mas que não coloca para votar o pedido de impeachment contra ministros do STF”
Movimento Avança Brasil
Define-se como “livres e de bons costumes” e defende um estado liberal. Afirma que o “STF está totalmente controlado pelo Foro de São Paulo”. Foi fundado em 2015 e tem 1,7 milhões de seguidores no Facebook. Em relação a 15 de março:

São contrários ao que classificam como Parlamentarismo branco, chantagem do Congresso e fake news
“Se preparem Congresso e STF”, afirma publicação de convocação para os atos
Pedem respeito ao resultado das eleições, à separação de Poderes e à Constituição Federal
Movimento Brasil Conservador
Em sua página do Facebook, elenca algumas de suas prioridades. Dentre elas estão “a continuidade da essência cristã que construiu esse país” e “o combate à grande mídia”. Tem 36,6 mil seguidores no Facebook. Em relação a 15 de março:

Contra o “parlamentarismo branco” e “manobras espúrias da esquerda”
Afirmam que a pauta única é a defesa de Jair Bolsonaro e que a imprensa tenta manipular a pauta da manifestação
Afirmam que os grupos não publicaram a imagem de apoio aos generais
Movimento São Paulo Conservador
Tem como lema “Fé, liberdade e ação” e divulga seminário com os temas “Era Karl Marx um Satanista?”. Tem 100,6 mil seguidores no Facebook. Em relação a 15 de março:

Afirmam que políticos corruptos são o maior desafio de governabilidade para Bolsonaro
Negam que a manifestação peça fechamento do Congresso ou do STF. Também negam apoio a intervenção militar
Dizem que a imprensa e a esquerda desqualificam a manifestação com fake news e que a única pauta é apoio a Jair Bolsonaro
Movimento Conservador
Antigo Direita Brasil, fundado em 2016, o movimento defende a revogação do Estatuto do Desarmamento e o projeto de lei Escola sem Partido. Também se posiciona contra a legalização do aborto. Tem 251,8 mil seguidores no Facebook. Em relação a 15 de março:

Contra o atraso que o STF e o Congresso estariam impondo ao presidente
Contra a “imposição de um parlamentarismo branco”
O presidente Edson Salomão diz que “o centrão tem o objetivo de travar a governabilidade do presidente e […] ferrar a vida de todos nós”
POLÍTICOS QUE ENDOSSAM A MANIFESTAÇÃO
Carla Zambelli
Deputada federal por São Paulo do PSL

Em suas redes, a deputada afirma que “há forças no congresso querendo minar o governo” e que não aceitarão “caciques invertam regras, para prestigiar os que acabaram com o Brasil”
Defende que “a pauta será única, em apoio ao Governo (e à fala do General)”
Filipe Barros
Deputado federal pelo Paraná do PSL

Em suas redes, a deputada afirma que “há forças no congresso querendo minar o governo” e que não aceitarão “caciques invertam regras, para prestigiar os que acabaram com o Brasil”
Defende que “a pauta será única, em apoio ao Governo (e à fala do General)”
Filipe Barros
Deputado federal pelo Paraná do PSL

Foi um dos indicados de Bolsonaro a compor a Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, em agosto de 2019. Em julho, o político protocolou um pedido de prisão temporária do jornalista Glenn Greenwald e, em março, defendeu a comemoração do golpe militar de 1964 no Brasil.
Em relação às críticas às manifestações programadas para o dia 15, Barros rebate afirmando que o PT teria “fechado o congresso nacional ao comprar parlamentares com proprina”
Éder Mauro
Deputado federal pelo Pará pelo PSD

Ex-delegado foi eleito em 2014 deputado federal e reeleito em 2018.
Nas redes, vem manifestando apoio aos atos do dia 15 e divulgando o local da concentração do protesto na cidade de Belém. Nesta terça-feira (25), publicou: “Vamos juntos num só sentimento! O Brasil vai às ruas!”
Soraya Thronicke
Senadora pelo Mato Grosso do Sul do PSL

Se elegeu com pautas alinhadas ao bolsonarismo, como a defesa do armamento da população e a oposição à legalização de drogas. Em maio, foi eleita presidente do PSL Mulher e seguiu defendendo pautas conservadoras
Dois dias depois do áudio do General Heleno vazar, disse em sua conta no Twitter para não duvidarem do ministro.

Folha de S.Paulo

Sorry! The Author has not filled his profile.
follow me
×
Sorry! The Author has not filled his profile.
follow me
Latest Posts